A escrita é um golpe que se imprime

Este trabalho foi elaborado entre outubro e dezembro de 2018, coincidentemente no momento em que a Declaração comple tava 70 anos e em que, no Brasil, tornaram-se mais agudos o descaso e o desconhecimento do conteúdo da DUDH, aliados a uma exaltação dos anos de chumbo da ditadura brasileira,

 

Decidi carimbar toda a Declaração Universal dos Direitos Humanos, sua introdução destinada à educação, suas consi derações iniciais e os trinta artigos sobre os rostos de seis pre sidentes militares: Castello Branco, Costa e Silva, Emilio Garrastazu Médici, Ernesto Geisel, João Figueiredo e, por fim, cronologicamente o primeiro, encerrando e recomeçando o ciclo, Eurico Gaspar Dutra.

 

Minha intenção foi a de recobrir esses personagens com a Declaração, dando-lhes literalmente na cara, letra por letra, palavra por palavra, a beleza e a profundidade do texto que não entenderam em vida.

 

A realização se deu sobre vinte imagens dos retratos oficiais dos presidentes da República, apropriadas e digitalmente manipuladas, carimbando-lhes o texto da Declaração com um alfabeto cujo desenho das laterais de cada letra incluía frag mentos de outras.

A impressão com tinta tipográfica provocou um vazamento de sua base oleosa no verso do papel, gerando novas imagens, posteriormente incorporadas ao projeto.

Projeto gráfico deste livro foi resultado da colaboração criativa com o designer Marco Ponce, do Estúdio Ipojuca.

A escrita é um golpe que se imprime

R$ 150,00Preço
  • Papel Munken 150g

    Gráfica: Ipsis

    2019